como é feito o café solúvel

Café solúvel: como é feito?

Classifique este post!
[Total: 0 Average: 0]

O café solúvel é apenas um extrato de grãos torrados e moídos, do qual se eliminou a água. Apresenta-se como pó ou granulado que, recebendo de volta a quantidade adequada de água, produz uma bebida de gosto e aroma semelhantes aos habituais. Inventado em 1909, é atualmente produzido por três processos diferentes, embora os estágios iniciais de mescla, torrefação e moagem sejam semelhantes. Primeiramente, os grãos crus são limpos e combinados, reunindo-se diferentes variedades de grãos para se obter um produto mais econômico. Um controle meticuloso assegura o padrão de sabor e qualidade.

A mistura de grãos é torrada, esfriada e catada antes de ser moída em pó de finura adequada. As partículas devem ter um tamanho que permita a extração de toda a essência das células sem destruí-las. Conduzido, então, à seção de extração, o pó de café é misturado com água quente introduzida sob pressão. Essa mistura é depois bombeada até um clarificador e refrigerador, onde o extrato líquido é purificado, equivalendo a um café coado bastante forte. Com isso o extrato está pronto para a desidratação que o transforma em café solúvel para o consumo.

Processo de fabricação do Café Solúvel

Diagrama mostrando o processo de fabricação do café solúvel
Produção de café solúvel: após a torrefação e moagem o fio de café recebe água quente sob pressão, daí resultando um extrato de certa concentração. A água é então eliminada da mistura através da secagem por vaporização ou liofilização.

A diferença nos processos de produção reside na secagem do extrato. O método da vaporização é o mais barato e comum; consiste em pulverizar o concentrado como vapor fino numa câmara, onde passa um jato de ar quente e seco. A água das gotículas evapora e é removida pelo ar, deixando secas as partículas de café, que se depositam em forma de pó. Esse pó é conduzido à máquina de embalagem. O café solúvel deve ser rapidamente embalado à prova de umidade, por ser produto altamente higroscópico (ávido de água).

Mais recentemente desenvolveu-se o processo de aglomeração. Após a secagem por vaporização, o produto é parcialmente reumedecido por vapor ou água (ou ambos), a fim de aglomerar o pó em grânulos sem alteração de sabor. Contudo, embora mais cara, é a secagem por congelamento (liofilização) que permite conservar melhor a essência e o sabor do café. Após a extração, o líquido concentrado é espumado com gás e rapidamente congelado sobre uma esteira ou tambor, formando uma fita de espuma congelada. Ainda congelado, é, então, moído e granulado no tamanho desejado.

Daí, segue em bandejas para uma câmara de vácuo, onde é aquecido. A combinação das condições de calor e vácuo faz o gelo vaporizar-se sem voltar ao estado líquido (sublimação). Então, os grânulos de material sólido e seco que daí resultam são levados novamente à temperatura e pressão normais, e embalados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *