como funcionam as fitas cassete e fita cartucho

Fita cassete e cartucho: como funcionam as fitas magnéticas?

Classifique este post!
[Total: 1 Average: 5]

O acondicionamento da fita magnética em caixinhas de plástico simplificou as operações nos gravadores eletrônicos: a extremidade da fita não precisa ser introduzida no carretel; isso evita que seja manuseada e permite sua fácil substituição.

Na mais popular destas caixinhas achatadas de plástico, o cassete, a fita magnética tem suas extremidades presas a dois pequenos carretéis sem abas. Ela corre de um lado para outro, em ambas as direções, passando ao longo da face dianteira da caixa, em roletes e guias. Nessa face encontram-se aberturas, através das quais a fita é gravada ou lida pelas cabeças de gravação e reprodução e com os roletes de acionamento do gravador.

Diagrama de uma fita cassete
No interior da caixinha plástica dos cassetes a fita magnética corre livremente entre dois carretéis que prendem as pontas de suas extremidades não magnéticas. Conduzida pelos roletes, ela passa pela abertura da face da frente do cassete, onde é pressionada pela mola e a almofada para entrar em contato com as cabeças de gravação e reprodução.

Do lado de dentro, uma almofada de pressão assegura a firmeza desse contato. Nas extremidades da fita há um prolongamento de plástico transparente que serve para mantê-la presa aos carretéis e, para que a fita não se embarace contra a tampa superior ou inferior da caixa, há duas folhas de material plástico de baixo atrito, tal como o teflon (politetrafluoretileno), ou um plástico recoberto de grafita.

Além disso, uma blindagem feita de liga metálica (geralmente de níquel e meabilidade magnética, protege a fita contra campos magnéticos externos – dos motores, por exemplo -, reduzindo-s ou absorvendo-s totalmente.

Qual é a espessura e a velocidade das fitas cassete?

Os cassetes usam fitas cuja espessura varia de 0,0095 a 0,019 mm. As mais finas fornecem uma gravação de melhor qualidade em velocidade mais baixa, o que amplia consideravelmente seu aproveitamento. A velocidade padrão dos gravadores que operam com cassetes é de 4,76 centímetros por segundo (1 7/8 polegadas por segundo), mas oferecem resultados tão bons quanto os obtidos nos gravadores de carretel que operam à velocidade de 9,5 cm/s (3 3/4 pol/s).

As fitas em cassetes podem ser encontradas com programas pré-gravados ou virgens, isto é, sem gravação. Se a fita é virgem, o cassete apresenta atrás duas pequenas abas de segurança que impedem a entrada de um pino existente nos gravadores. Empurrado pelas abinhas esse pino estabelece um contato no circuito de gravação e permite que este seja ligado. Mas, quando a fita já está gravada, as abinhas podem ser retiradas e o pino não é mais empurrado. Sem as abas do cassete o circuito de gravação não pode ser ativado, evitando que a fita gravada seja apagada ou regravada. Com as duas metades da fita podendo ser gravadas, o tempo de funcionamento total dos cassetes é marcado em minutos, com as indicações: C60, C90 e C120.

Qual a diferença entre o cassete e o cartucho?

Dentro das caixas de uma fita cartucho há uma fita sem fim, enrolada em um único carretel. Quando o aparelho entra em funcionamento, ela desenrola-se a parti da parte central do carretel, passa pelos roletes de acionamento, é submetida à ação das cabeças de gravação ou reprodução, e volta a rebobinar-se, continuamente, sobre si mesma.

Popularizados principalmente nos Estados Unidos a partir de 1965, os cartuchos costumavam trazer fitas pré-gravadas e passaram rapidamente a ser utilizados em toca-fitas de automóveis. Sua caixa, também de plástico, é maior que a do cassete e contém apenas um carretel, onde se enrola uma fita de 0,63 cm (1/4 de polegada) de largura. Trata-se de uma fita contínua (de extremidades emendadas) e que gira a uma velocidade de 9,53 centímetros por segundo, duas vezes maior que a do cassete.

Bobinada sobre o carretel único, essa fita contínua desenrola-se a partir do centro, de modo que suas voltas estão permanentemente escorregando umas sobre as outras. Por isso, no lado oposto ao de sua camada magnetizada é aplicado um lubrificante que diminui o atrito ao mínimo.

Enquanto a fita cassete possui normalmente apenas duas trilhas de gravação, a de cartucho pode ter até oito, ou quatro pares de trilhas stereo. Além disso, num de seus pontos, geralmente na emenda das duas extremidades, é colada uma finíssima lâmina de metal. Quando essa lâmina passa pela cabeça de gravação e reprodução, a cada volta completa da fita, sua presença é acusada por um relê muito sensível. A operação desse relê desloca a cabeça de gravação e reprodução para a altura da próxima trilha a ser gravada ou reproduzida. E, como os cassetes, os cartuchos possuem guias, roletes, almofadas de pressão e blindagem de proteção da fita contra campos magnéticos externos.

Cassetes e cartuchos usam fitas confeccionadas em filmes plásticos sem falhas, feitos de um material resistente (como o poliéster) com uma espessura de menos de 0,025 mm. O processo mais comum de transformação de uma película plástica em fita magnética é o de calandragem, muito semelhante ao da calandragem gráfica usada em tipografia. Uma das faces da película é revestida com pó magnético, fixado com resinas plásticas. Depois de seco, esse revestimento é comprimido e laminado, transformando-se em uma camada extremamente lisa e delgada.

Após a preparação magnética, os rolos de filme são cortados na largura adequada às caixas de cassete e cartucho. Se a fita vai ser vendida pré-gravada ela passa por gravadores de alta velocidade, em grandes carretéis que giram a 1,5 m/s, onde recebe continuamente o programa de uma fita matriz. Entre o fim de um programa e o começo de outro, o aparelho imprime um sinal na fita. Cada trecho contendo um programa é, então, cortado e enrolado no cassete ou cartucho correspondente.

Se a fita se destina à venda em estado virgem, sem gravação prévia, ela é passada diretamente dos carretéis para as caixinhas que, em seguida, são soldadas ou parafusadas e rotuladas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *